quarta-feira, 26 de junho de 2019

LEITURAS. O jornal Le Monde lista os 100 melhores romances

O francês Le Monde desafiou seus críticos de Literatura a eleger os 100 romances que mais os deixaram emocionados. A apresentação da matéria, divulgada na edição do último dia 21, revelou um texto maravilhoso de se ler. 




De autoria de Luc Bronner, o trabalho faz uma avaliação sobre esse fenômeno fantástico que é o livro, "em uma sociedade onde os algoritmos querem fazer sua lei". Vale a pena magnificar-se com a sua leitura - em francês, mas qualquer bom notebook ou smartphone tem tradutor - e se deliciar com a elegia que o autor faz à magnificência desse objeto fabuloso de leitura. 

O livro, este objeto que pode aparecer em uma biblioteca, enruga-se em uma bolsa de mão, anota, fica durante meses em uma mesa de cabeceira, lê novamente e novamente, compartilhe, ofereça. O livro, esse supremo luxo, bolha dos sonhos, imaginação, viagens, lágrimas instantâneas, risos, perguntas, emoções, aprendizado, descobertas.
Queremos saudar a literatura, a grande literatura, aquela que permanece, apesar dos anos e décadas, aquela que embeleza e cresce com os anos e décadas. Livros passaram imediatamente para a posteridade, outros que permaneceram confidenciais, alguns que esperaram muito tempo antes de serem traduzidos para o francês, livros que você quer compartilhar com seus filhos, seus pais, seus entes queridos, livros que você pode querer reler.

Quanto a uma turnê mundial, existem mil e um caminhos possíveis, como muitos estágios, fronteiras. Nossa lista era obviamente assunto de discussões íntimas, animadas e dolorosas, e era necessário escolher, podar, cortar, decidir entre autores e livros, às vezes com risco de injustiça. Nossa lista, que inclui um trecho da resenha original, será debatida e criticada, e a honestidade nos obriga a dizer que estamos muito satisfeitos. Porque estamos aguardando seu feedback, sua aparência, suas propostas, suas próprias listas. Porque os jornalistas podem e devem ser criticados. Porque, como editores, como livreiros, como leitores, defendemos a felicidade de debater e compartilhar. 

Clique o original AQUI 

Nenhum comentário: