sexta-feira, 7 de agosto de 2015

NOMES. Terceiro radialista assassinado no interior do Ceará


Trabalhar em rádio no interior vem se tornando atividade de risco. A morte ontem do radialista Gleydson Carvalho, em Camocim, é o terceiro caso de radialistas executados este ano no Ceará. 

Há menos de dois meses, Francisco Rodrigues de Lima, 62, foi assassinado ao chegar à rádio FM Montemor, em Pacajus. Outro caso foi o do radialista Patrício Oliveira, assassinado em março em Brejo Santo. 


Chamado de "Amigão", Gleydson era conhecido por denunciar irregularidades cometidas por políticos da região.

Em nota, o presidente da Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão, Daniel Slaviero, pediu apuração com rigor do caso às autoridades.

"A Abert considera extremamente preocupante o aumento dos atos de violência que buscam impedir a livre e necessária atuação da imprensa e apela às autoridades do Ceará para que apurem, com rigor, mais este crime, que não pode ficar impune", afirmou.

2 comentários:

Raimundo Moura disse...

Caro Nonato, o que mais tem me chamado a atenção é o silêncio ensurdecedor do Sindicato dos Radialistas e Publicitários do Estado do Ceará e seu "eterno" presidente Aderson Maia. Muitos casos de violências contra radialista e rádios foram registrados no Estado e nem uma nota de uma linha foi divulgado por parte da entidade.

Anônimo disse...

Radialista desde 1995, sinto-me no dever de repudiar a inercia do sindicato ao qual eu pertenço, no caso do Radialista morto na cidade de Camocim. Ao longo desses 20 anos de trabalho na área, pude perceber o que para nós profissionais do rádio é tristemente óbvio. Estamos sozinhos, sem uma representação capaz de ao menos lançar uma nota na imprensa condenando a morte do radialista Gleydson Carvalho, morto quando laborava no dia 06 de agosto desse ano. É certo que a acert efetuou o seu descontentamento com o ocorrido. Porém, essa associação ligada aos donos de emissoras não me representa ficando à cargo do sindicato dos radialista tal missão. Acho que já chegou a hora dos profissionais do radio se levantarem e constituírem uma mudança real para os mesmos. Chega de embromação e de marasmo, nós merecemos mais, merecemos respeito!!!