quinta-feira, 5 de março de 2015

JORNALISMO. Recomendações para profissionais da área


Tim Radford é um veterano jornalista neozelandês. Em seu curriculum destaca trabalho para o diário inglês ‘The Guardian’, durante 32 anos, durante os quais ocupou postos como a direção das editorias de artes, literatura e Ciências. Precisamente nesse âmbito, a Associação dos Escritores Britânicos de Ciência o nomeou quatro vezes escritor do ano. Agora, decidiu compartilhar suas mais de cinco décadas de experiência na imprensa elaborando uma lista de 25 recomendações que todo jornalista deveria conhecer e respeitar. O GENTE DE MÍDIA traduziu esse texto publicado no site PeriodistaHOY, na expectativa de ser útil a todos nós que utilizamos a mídia de alguma maneira.
01. Quando você se senta para escrever, só uma pessoa é importante em sua vida. É alguém a quem, provavelmente, nunca você nunca conhecerá: o leitor de seu artigo.
02. Não trate de impressionar o cientista que acabou de entrevistar, nem ao diretor de sua mídia, nem a garota ou o garoto atraentes que conheceu numa balada. Escreva para impressionar o trabalhador que vai de metrô ou de ônibus e, se não sentir interessado, não tardará um segundo em deixar de ler-te.
03. Por tanto, cada frase que escrever há de ser a mais importante de sua vida. Tem que ser interessante para o leitor.
04. Não use um estilo pomposo. Espanta os leitores. Utilize palavras simples, frases curtas e ideias claras.
05. Ninguém se molestará se escrever algo “demasiado fácil de entender”.
06. Ninguém é obrigado a ler o que você escreve.
07. Em caso de dúvida, considere que o leitor não sabe nada do tema do qual você fala. Mas tampouco pense que o leitor é estúpido. Não supervalorize seus conhecimentos, nem menospreze sua inteligência.
08. A vida é complicada. O jornalismo não pode (nem deve) ser complicado. Precisamente os leitores acorrem a imprensa para que ela lhes explique os assuntos complicados.
09. A teoria do espaguete: se algo está emaranhado, como um prato de espaguete, encontre um único fio e puxe. Deve dar ao leitor algo simples, nada complexo.
10. Escolha um único quadro da narrativa para a sua história. Se o assunto de que fala tem várias peças importantes, escolha o ponto onde se cruzam. Você pode obter outros bocados, mas que não se desviem do terreno de sua escolha.
11. Tente resumir em uma frase a idéia principal do seu artigo. Pergunte a si mesmo, por um lado, se sua mãe iria entender, e por outro lado, se conseguiria ‘vendê-la’ ao editor de um jornal. Muitas vezes essa frase pode ser o ‘lead’ do seu artigo. Não comece a escrever até que você o tenha.
12. Há sempre uma primeira frase ideal para qualquer item. Procure pensá-la antes de começar a escrecer. O resto será muito mais fácil.
13. Textos “simples” e “light” não são insultos para nenhum jornalista. Quem paga por um jornal quer assimilar informações rapidamente, sem notas, notas ou referências obscuras.
14. Há que se apelar para o sentimento do leitor. É uma das chaves para o sucesso. Não se sinta mal com isso, também recorrem a ele até os clássicos da Literatura.
15. As palavras têm seu significado específico. Não invente, por muito que lhe pareça boa. Em caso de dúvida, vá ao dicionário.
16. Evite clichês … salvo os que sejam corretos. Se você usá-los sabiamente pode ser muito útil.
17. As metáforas são até bem vindas, mas tente não ser muito chamativo. E não use várias ao mesmo tempo: pode ficar confusa.
18. A linguagem da imprensa é como a da rua. O texto não tem entonação, sem velocidade, sem acento e é baseado em gestos. Nada pode ser tomado como garantida. Seja claro e observe todas as regras da gramática.
19. Cuidado com as palavras excessivamente longas e os jargões técnicos. Se houver mais sinônimos comuns, use-os. Por exemplo: é melhor citar uma refeição “abundante” do que pantagruélica.
20. No nosso caso, vamos escrever em português. Se não for essencial, evite termos em outras línguas, incluindo latina e inglês. Não há necessidade de usar “parking’ se temos “estacionamento”.
21. Ao público interessa aquilo que é mais próximo dele. A maioria de leitores preocupa-se mais com as ocorrências das rodovias do que amplas reformas econômicas lá no Suriname.
22. Leia. Muito. Tudo. Quanto mais variedades, melhor. Assim, aprende-se uma quantidade de coisas cujas palavras poderão encher meia página.
23. Cuidado com os dados absolutos. Se você definir algo como maior, menor, mais rápido ou mais forte… pode ser apareça outra coisa que o supere. Uma ação eficaz é utilizar a expressão “um dos mais ….” Ou, para citar referências, “o maior segundo (Guinness Book se for o caso)”.
24. Há coisas que, por respeito à lei, quer pelo bom gosto, simplesmente não se deve escrever. Evite complicações e ofensas gratuitas aos seus leitores.
25. Além da lei, os jornalistas têm uma responsabilidade social. Nós procuramos a verdade. E se é difícil de alcançar (por vezes acontece), pelo menos, tente ser justo; há sempre duas versões de uma história.

Nenhum comentário: