domingo, 24 de maio de 2015

RÁDIO. Como no nazismo, hoje ele é usado por extremistas

O rádio, que foi um dos meios de comunicação mais utilizados durante a II Grande Guerra, parece ter contribuído para influenciar o extremismo islâmico dos dias atuais. É o que revela o professor de História, Jeffrey Herf, em artigo no 'The Cronicle of Higher Education', no qual avalia a influência da propaganda nazista no mundo árabe. 



Entre 1939 e 1945, transmissores de rádio de ondas curtas, perto de Berlim transmitiram propaganda nazista em muitos idiomas ao redor do mundo, incluindo árabe em todo o Oriente Médio e Norte da África, além de programas persas no Irã. Transcrições de língua inglesa das transmissões em árabe lançaram luz sobre um capítulo particularmente obscuro na globalização das idéias perniciosas.
A significância dos transcritos, no entanto, não é puramente histórica. Desde 11 de setembro de 2001, os estudiosos têm debatido as linhagens, semelhanças e diferenças entre o anti-semitismo nazista e o anti-semitismo de extremistas islâmicos. Estas transmissões de rádio sugerem que a propaganda nazista de língua árabe ajudou a introduzir o anti-semitismo radical para o Oriente Médio, onde encontrou um terreno comum com as correntes anti-judaicas no Islã.

Em um livro de 2007, “Jihad, o ódio judeu: o islamismo, o nazismo e as raízes de 9/11” (Telos Press), o cientista político alemão Matthias Kuentzel detalha como a ideologia nazista influenciou ideólogos islâmicos como Hassan al-Banna e Sayyid Qutb do muçulmano Irmandade no Egito, assim como o líder palestino Haj Amin al-Husseini. Exemplos mais recentes são abundantes.
A carta de fundação do Hamas, o grupo militante palestino, recapitula as teorias da conspiração sobre os judeus que eram populares na Europa no século 20. A guerra da Al Qaeda contra a “Aliança da Cruzada Sionista”, os violentos anti-sionistas do presidente Mahmoud Ahmadinejad do Irã também exibem uma mistura de temas anti-semitas enraizados nas propagandas nazista e fascista, bem como nas tradições islâmicas.
Para ter certeza, cada um desses movimentos e ideologias têm causas e inspirações não europeias, locais e regionais. Mas a formulação de propaganda nazista durante a Segunda Guerra Mundial e sua disseminação ficaram como um episódio decisivo no desenvolvimento do islamismo radical.

Depois que Hitler invadiu a Polônia em setembro de 1939, embaixadas e consulados alemães foram fechadas em todo o Norte de África e no Oriente Médio, prejudicando os esforços de propaganda nazista. Entre 1941 e 1943, quando as forças alemãs estavam envolvidos em combates pesados ​​no Norte de África, milhões de panfletos foram lançados a partir de aviões e distribuídos no terreno por unidades de propaganda que operavam com o ‘Afrika Korps’ de Rommel. Mas em uma região onde menos de 20 por cento dos adultos eram alfabetizados, o rádio foi considerado um meio de comunicação muito mais eficaz. As estações de rádio, como a Rádio Berlim e a Voz Árabe, adaptaram propaganda nazista para as circunstâncias do Oriente Médio.

Apenas uma fração das emissões do regime nazista em árabe sobreviveu à guerra nos arquivos alemães. Mas no outono de 1941, a embaixada americana no Egito começou a produzir traduções de transmissões de nazistas do idioma inglês. Toda semana, durante o resto da guerra, a embaixada enviou um resumo, "Axis Broadcasts in Arabic”, para o secretário de Estado, em Washington. Na linguagem de operações de inteligência contemporâneos, "Axis transmite em árabe" seria descrita como "open source", ou seja, um exame do que adversários devem dizer em público. O "Axis transmissões em árabe" compreendem o registro mais completo dos esforços da Alemanha nazista para conquistar os corações e mentes do mundo árabe e islâmico.


Essa tarefa foi dificultada por causa de idéias sobre a superioridade racial ariana e pureza que eram centrais para a ideologia nazista. Diplomatas nazistas eram há muito sensíveis ao fato de que tais pontos de vista tornaram-se dificeis para angariar aliados árabes. Antes da guerra, os oficiais alemães fizeram um grande esforço para tranquilizar os árabes de que as políticas nazistas, como as Leis Raciais de Nuremberg de 1935, foram destinadas estritamente a judeus. Além disso, aos líderes árabes foram dadas garantias privadas que o Terceiro Reich se opunha ao colonialismo britânico e francês, bem como as aspirações sionistas na Palestina. Mas ambições imperiais de Mussolini em torno do Mediterrâneo mantiveram-se em desacordo com a declaração explícita de apoio por parte das potências do Eixo para a independência árabe. No verão de 1942, no entanto, quando Hitler e Mussolini acreditavam que eles estavam à beira da vitória sobre os Aliados no norte da África, os dois líderes apelaram publicamente para um fim ao colonialismo na região. E até o fim da guerra, a rádio nazista transmitira uma inundação incessante de propganda anti-britânica, anti-americana, anti-soviética, especialmente anti-judaica no Oriente Médio. Era o rádio do ódio como uma vingança.

Para ler o texto integral, clique AQUI

Jeffrey Herf é um professor de história européia e alemã moderna na Universidade de Maryland em College Park e autor de 'O inimigo judeu: Propaganda nazista durante a Segunda Guerra Mundial e do Holocausto (Harvard University Press, 2006). Seu livro mais recente é propaganda nazista para o Mundo Árabe, publicado este mês pela Yale University Press.

Nenhum comentário: