segunda-feira, 18 de maio de 2015

WHATSAPP. Alerta aos que usam aplicativo comercialmente


Tem um artigo hoje na Folha de SP alertando que o envio de mensagens de propaganda viola os termos de uso do WhatsApp destinado à comunicação privada e não comercial. Um advogado da área do direito digital diz que o internauta poderá ter sua conta banida do aplicativo.




Uso comercial excessivo pode gerar prejuízo

DE SÃO PAULOO envio de mensagens de propaganda viola os termos de uso do WhatsApp, destinado à comunicação privada e não comercial.
Quem o faz pode ser classificado como "spammer" e ter sua conta banida do aplicativo, alerta o advogado da área do direito digital Adriano Mendes.
Ele explica, contudo, que a prática geralmente não é ilegal, já que na maioria dos Estados a legislação contra este tipo de mensagem prevê apenas comunicação por telefone e torpedo.
Para evitar bloqueios de número no aplicativo, as empresas que oferecem este serviço criam números aleatórios diferentes para o envio de cada uma das mensagens.
Esse é o caso da SallApp, de Maceió, que envia ao dia 1 milhão de mensagens para empresas clientes, diz o fundador, Luiz Benjamin, que não vê problema na prática.
O custo inicial por mensagem é de R$ 0,10 por unidade para o pacote de mil envios, diminuindo conforme cresce o número de mensagens contratadas.
Hoje, os principais clientes do serviço são empresas de recuperação de crédito e grandes varejistas, diz Benjamin. "O pequeno empresário ainda tenta fazer tudo da forma dele."
Na OndaLocal, especializada em marketing para pequenas empresas, o envio por WhatsApp faz parte do pacote principal de serviços, que custa a partir de R$ 800 ao mês e inclui itens como criação de sites e gerenciamento de contatos dos clientes.
O presidente da empresa, Samuel Artmann, diz que, para evitar a transformação da comunicação útil em spam, sua plataforma bloqueia mensagens quando há excesso --costuma permitir o envio de uma por cliente ao mês.
Já a empresa Shopgram oferece um aplicativo que permite mandar rapidamente links para páginas de compras pelo app.
O fundador do negócio, Gabriel Monteiro, 27, explica que as empresas podem cadastrar o produto a ser vendido e, ao clique de um botão, enviar o link via mensagem.
Assim como as formas mais tradicionais de spam, a divulgação sem critério e impessoal via WhatsApp pode trazer prejuízos aos empresários, alerta Pedro Waengertner, coordenador do núcleo de negócios e estudos em Marketing Digital da ESPM.
Segundo ele, essas mensagens são facilmente identificadas como lixo eletrônico.
"Se a empresa enviar milhões de mensagens, uma pequena parte dos clientes vai comprar. Mas ela precisa perceber o prejuízo intangível em sua reputação com os demais."

Nenhum comentário: