segunda-feira, 19 de março de 2018

JORNAIS. Tessler diz que a imprecisão vai matar os jornais

Uma boa parcela de responsabilidade pela queda na circulação e no faturamento dos jornais pelo Brasil é dos próprios jornalistas. Talvez cumprindo ordens dos acionistas, chefes de redações reduzem as equipes e puxam para baixo a qualidade dos jornais.


Muitas vezes as edições saem às ruas de maneira enigmática, imprecisa: seria preciso entregar um manual para que o leitor entenda o que se quis dizer.



A manchete do Pioneiro (Caxias do Sul, RS) é um desses casos. Tudo é ruim nessa oração.



Estimativa de quem?



Crescer o quê?



8% é muito ou pouco?



Não é preciso buscar inimigos das edições de papel no ambiente, no mercado ou nas ruas. Muitas vezes o inimigo está dentro da Redação.


Nenhum comentário: