segunda-feira, 10 de outubro de 2016

JORNAIS. Repúdio à quebra de sigilo de jornalista da 'Época'

As entidades Aner (Associação Nacional dos Editores de Revistas), ANJ (Associação Nacional de Jornais) e Abert (Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão) repudiaram decisão judicial que determinou a quebra do sigilo telefônico de um jornalista da revista "Época".

"A quebra do sigilo telefônico de um jornalista implica em gravíssima violação ao direito constitucional do sigilo da fonte e ao livre exercício da profissão de jornalista", diz trecho de nota divulgada neste sábado (8).

A Abraji (Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo) chamou de "atentado à liberdade de expressão" e considerou que põe "em risco um dos fundamentos" da atividade jornalística".

Segundo a revista "Época", a juíza Pollyana Kelly Alves, da 12ª Vara Federal de Brasília, autorizou no dia 17 de agosto a quebra do sigilo do colunista Murilo Ramos.

De acordo com a revista, o pedido à Justiça foi feito pelo delegado da Polícia Federal João Quirino Florio, com o aval da procuradora da República do Distrito Federal Sara Moreira de Souza Leite.

A ABI (Associação Brasileira de Imprensa) classificou de "retrocesso". Procurados, a Justiça Federal e o Ministério Público informaram que não se manifestariam.

(Deu na Folha de SP) R°

2 comentários:

Benedito Ap. da Silva (Benê) disse...

Nada mais me surpreende da (in)justiça, depois do que já vimos, vazamentos, seletivos, parciais.

José de Arimatéa dos Santos disse...

Isso é o que dar apoiar, divulgar conversas privadas e usar meios escusos pra noticiar e afim de atingir o inimigo político. A grande mídia conhece bem esse caminho(tortuoso) e perigoso pra democracia tão ultrajada por temers da vida.