domingo, 29 de maio de 2016

JORNAIS. NYT dá dicas para sobrevivência deles no futuro


O que os jornais precisam fazer para chegar ao futuro? Uma boa pista foi dada esta semana pela direção do 'New York Times', comentada hoje pela ombudsman da Folha de SP. 

"Menos reportagens superficiais, feitas apenas 'para registro'. Menos notícias tradicionais. Menos textos empolados. Mais formas de contar histórias. Mais histórias visuais"


EM BUSCA DO JORNAL DO FUTURO

Paula Cesarino Costa, ombudsman da Folha 

Em meio a tantas incertezas sobre o futuro do jornalismo, torna-se consensual que terá de mudar. Como e para onde ninguém tem uma resposta clara e precisa.

Mais importante jornal do mundo, "The New York Times" montou grupo para alinhavar mudanças que quer implantar até 2020. Na semana passada, memorando interno listou indicações valiosas. Menos reportagens superficiais, feitas apenas "para registro". Menos notícias tradicionais. Menos textos empolados. Mais formas de contar histórias. Mais histórias visuais.

Cada peça da engrenagem do jornal terá de ser reajustada.

Repórteres terão maior responsabilidade na busca de estratégias para que suas narrativas sejam lidas ou assistidas.

Para o "NYT", a atribuição dos editores, num futuro próximo, não será se preocupar com o preenchimento do espaço das páginas da edição impressa. Devem se preocupar com a qualidade jornalística e narrativa, empenhando-se em encontrar as melhores maneiras de contar histórias em múltiplos meios.

O jornal planeja criar um grupo de editores e diagramadores com a missão exclusiva de adequar o produzido para a amplidão do jornalismo digital para o impresso.

A lógica será invertida.

Em última análise, o objetivo é criar uma redação que seja mais ágil e menos sobrecarregada com inchaço burocrático. 

Nenhum comentário: