sexta-feira, 27 de junho de 2008

. Você já parou para contar o tempo que as emissoras de tv destinam a programas ditos religiosos? Claro que não, que você tem o que fazer. Mas cada vez mais a tv se transforma em igreja eletrônica.

. A exceção da Globo e SBT e emissoras ligadas aso ítem cultura, todos os demais canais rezam e professam a cartilha do evangelismo em sua grade programacional. Aqui não cito emissoras como Canção Nova e Rede Vida.

. A Rede TV madruga com horário pago pela Igreja Mundial do Poder de Deus. Às 13h, é a vez da Igreja Universal do Reino de Deus, que é proprietária da Rede Record usar o espaço. Às 17h, é a vez da Igreja da Graça reinar no mesmo esquema da TV Gazeta.

. A Band tem "A Palavra da Paz" e a madrugada com "Igreja Viva". A partir de 1 da madrugada, a Record dedica toda a sua programação à Igreja Universal do Reino de Deus.

. Você deve estar indagando sobre a audiência desses horários. Se eles não correspondem à isso em termos de quantidade e tampouco em qualidade, o faturamento das emissoras explica porque dirigentes fazem ouvidos de mercador a esse tipo de discussão.

Um comentário:

Carlos Rogério disse...

Da forma como tem aumentado o número de programas "religiosos", só podemos concluir que o "negócio" é bom para os dois lados: a emissora que aluga o espaço em sua programação e a "Igreja" que o adquire.
Exibindo tais programas, as organizações ditas religiosas conseguem alcançar várias pessoas que de outro modo não entrariam na igreja e, assim, cooptar seguidores. Tudo isso com a promessa de soluções mágicas e imediatas para os seus problemas emocionais, conjugais, financeiros, de saúde, etc.
Não de fala em valores morais, mudança de postura diante da vida e das demais pessoas, nada disso interessa.