quinta-feira, 16 de março de 2017

VALE A PENA LER. A decadência da expressão 'risco de morte'

Na Folha de SP, desta quinta-feira, o colunista Sérgio Rodrigues diz porque devemos comemorar a decadência da expressão 'risco de morte'

Boa notícia no mundo da língua brasileira: a expressão biônica "risco de morte", que há cerca de 20 anos começou a se impor às cotoveladas no discurso dos meios de comunicação, sofreu um violento revés. Talvez não corra risco de vida, mas está no hospital.
Na última quinta-feira (9), depois que publiquei aqui um texto sobre os "podólatras da letra", a direção de jornalismo da TV Globo soltou uma circular vetando em toda a rede o uso da locução, que chamou acertadamente de "modismo".
Eu sei que isso não vai resolver os problemas do Brasil. A notícia é boa para a cultura do país porque representa uma vitória da língua natural, aquela que as pessoas de fato falam, e uma derrota de certa mentalidade prescritiva que, mesmo bem intencionada, comete o pecado de inventar "erros" onde eles não existem.
Basta pensar na reputação que o português tem para grande parte dos estudantes e da população em geral –a de língua dificílima e cheia de pegadinhas– para entender o potencial nocivo da caça ao equívoco imaginário. "Seus tataravós falavam errado, seus bisavós e avós e pais também, preste atenção!"
Por ser emblemática, a história de "risco de morte" merece uma recapitulação. É preciso deixar claro que o problema da expressão não é estar "errada". Seu problema é que, de uso minoritário ate então, foi vendida a multidões de falantes ao preço da criminalização de uma locução consagrada, familiar e tão popular quanto elegante.
Foi em fins do século passado que estudiosos apegados demais ao pé da letra transformaram a malhação de "risco de vida" –que até Machado de Assis usou– em cavalo de batalha. O jornalismo brasileiro, infelizmente, montou nele e saiu a galope.
A Globo não inventou o modismo, embora possa ser considerada sua maior propagadora. Introduzida na cultura da grande imprensa por consultores de português, a ideia de que "risco de vida" era um contrassenso chegou a ser acolhida também nesta Folha –que, no entanto, livrou-se dela faz tempo.
"Ninguém corre o risco de viver", dizia-se. Era um equívoco. A análise em que se baseava obscurecia algo compreendido até então por todos os falantes, inclusive os analfabetos: que risco de vida quer dizer risco para a vida, isto é, risco de perder a vida.
Enxergar aí uma agressão à lógica requer um tipo bem carrancudo de literalismo. É mais ou menos como dizer que o "quarto de visitas" deveria ser chamado de "quarto para visitas", uma vez que elas nunca terão a posse do cômodo.
A primeira voz que vi se levantar contra isso, no início do século, foi a do linguista Sírio Possenti. No campo conservador, o jornalista Marcos de Castro incluiu um verbete em reedição de seu livro "A Imprensa e o Caos na Ortografia" para engrossar o coro. A resistência a "risco de morte" foi uma obra coletiva.
Não que a locução mereça o anátema que seus defensores tentaram impor a "risco de vida". As duas são gramaticais e fazem sentido. Uma, preferida por gerações de brasileiros, refere-se ao perigo que corre a vida; a outra fala do perigo de que a morte vença. Dizem basicamente a mesma coisa.
Por que, então, comemorar o declínio da expressão "risco de morte"? Porque ela não soube brincar. A língua que as pessoas falam na vida real merece respeito


Nenhum comentário: