sábado, 24 de setembro de 2016

HQs. Super-Homem islâmico é mais politicamente correto


Quando o Super-Homem foi lançado há mais de 80 anos, não era apenas a primeira história em quadrinhos com um super-herói, mas também uma crítica indireta aos tempos de depressão econômica nos EUA e do fascismo crescente na Europa. Ele surgia para ser o campeão da liberdade e da justiça. Depois, os quadrinhos X-Men trataram questões racistas como um importante sub-texto. Interações mais recentes do Superman e outros super-heróis têm se afastado um pouco desse tipo de mensagens. Isto é especialmente verdadeiro em relação ao novo Superman.

No entanto, não precisa se desesperar, escreve Muhammad Aurangeb Ahmad, no seu website 'Islam and Science Fiction', ao citar um persongem criado por Kumail Rizvi, que é um artista paquistanês radicado na Inglaterra. Ele repaginou o Super-Homem como um paquistanês - ''imagine se em vez de aterrissar em uma fazenda no Kansas, o Superman tenha baixado perto de Karachi, no Paquistão", interroga ele.

Um herói politicamente correto seria a premissa da história em quadrinhos intitulada Khalil, como vem sendo conhecido esse novo Superman por aquelas bandas do mundo. Além de lutar contra os males sociais de sua sociedade, Khalil também salva civis inocentes que sejam acidentalmente mortos por drones americanos. Assim, você pode ler os quadrinhos on-line no seguinte site: Khalil.

Fonte: Islamscifi

Um comentário:

Djacyr Souza disse...

Nonato não se se procede , mas tive notícias do falecimento da Radialista Neide Maia. Nos jornais não vi nenhuma notícia. O que você sabe?