segunda-feira, 4 de maio de 2015

ESPORTE. Crônica antiga para um Fortaleza campeão


Ao Fortaleza, com amor 
Nonato Albuquerque 

Uma bola é um globo. Uma bola é um mundo. 
Nela cabem todos os mistérios e todos os encantos. 
Mundo de sonho que, nas tardes de domingo, vira realidade. 
Campo verde... grama amada, gramado-esperança. 
Nesse mundo onde todos se unem, 
gente de todas as partes, na arte do futebol que encanta. 

A bola que dança nos pés de quem joga, agita a torcida. 
Abafa as tristezas. Dá ânimo à vida; 
cria novo ânimo, no povo que vibra 
por um momento de sonho, pra não ser só fantasia. 
É a torcida com garra, afogando na marra suas mágoas, 
suas queixas; 
despertando no peito um só grito: um grito de guerra 
que une toda uma família... a torcida tricolor. 

É grito de gol, é grito de glória. 
Salve a história do tricolor de aço... 
Traço de união de toda sua torcida, essa conquista nova, 
- é nova, é nova vida 
que o time arregimenta... e arrebenta 
para provar que o coração do Pici é vermelho, azul e branco. 
Vermelho sangue 
azul, amor 
branco da paz 
Como faz o time da garotada a cada nova partida. 

Por isso, hoje, quando o nosso tricolor consegue esse feito importante, 
cante com a gente e encante outras gentes mais distantes, 
mostrando que os homens conseguem se unir melhor pelos pés 
- já que as mãos, muitas vezes, não se dão em união - 
que haja a profissão de paz dos pés, 
a procissão que faz dos pés dos jogadores 
o caminhar de toda essa torcida em busca do oratório: o gol. 

O estádio é como uma igreja enorme, onde todos se confessam 
apaixonadamente apaixonados / pelo tricolor de aço mais respeitado, 
agora mais do que nunca... 

A missa de nossos domingos é quando o Fortaleza celebra vitórias 
e entoamos hinos de amor à camisa suada de nossos jogadores. 
Ou mesmo quando tropeça, a peça que nos prega, faz parte desse jogo - 
Fiel que é sua torcida - fiéis que somos - rezamos pra que noutras vezes 
não percamos e possamos reencontrar os nossos melhores dias. 

Dias de glória, como esse que a história do Fortaleza hoje registra: 
subindo degraus maiores, sem jamais perder de vista 
a pureza de todas as crianças - por ser time de toda a garotada. 
E a humildade dos sábios - que atingem a maior/melhor idade, 
sem esquecer de todos os que contribuíram para esse instante. 

Parabéns tricolor de aço - o passo tricotado em aço 
te põe hoje ao lado dos grandes times nossos. 
Aqui vai a saudação de toda a tua torcida amiga 
A torcida tricolor que é toda tua companheira 
que vibra com mais essa conquista de primeira 
pedindo aos deuses do furebol, as bençãos todas. 

Seja abençoado agora Fortaleza amigo 
e para todo o sempre, AMEM o tricolor de aço... AMEM.



Esta crônica foi escrita em 1969 e a resgato agora diante do campeonato ganho em 2015, sem esquecer de lamentar a ação terrível de torcedores alvinegros e tricolores no fim do jogo, destruindo o estádio. Vergonhoso!

Nenhum comentário: