domingo, 23 de fevereiro de 2014

Já somos metade-humana, metade máquina

.
jason Um artigo assinado por Gabriela Gonzales, no blog ALT 1040, revela como num tempo relativamente curto nos tornamos a geração mais dependente das máquinas e muito menos de nossos próprios sentidos e instintos. Na avaliação geral de nossa dependência tecnológica, podemos afirmar que somos uma sociedade metade-humana, metade máquina. 

Há pouco tempo era possível se guardar de memória os números dos telefones dos nossos amigos e familiares; hoje, deletamos toda essa memória, porque transferimos para os celulares essa função. 

Quando uma pessoa se mudava para uma nova cidade, rapidamente sabia trafegar por ela porque induzíamos a nossa memória a esse aprendizado. Hoje, o Google Maps nos facilita e, pouco a pouco, vamos estreitando os espaços de nossa memorização. 

“Nós nos adaptamos tanto as comodidades e serviços que nos fornecem a tecnologia que, basicamente, aprendemos apenas a nos defender”, narra Gabriela em seu artigo “Mitad humano, mitad máquina: ¿qué tan inútiles somos sin nuestros gadgets?”. 

E ela relaciona alguns sinais claros do quanto dependemos da tecnologia. 

* Pessoas estão sendo jogadas no mar com seu veículo, pois o GPS disse-lhe para continuar por 500 metros. 
* Ninguém se lembra de um número de telefone. 
* Se você esquecer seu smartphone dá-lhe um ataque de ansiedade que pode levar ao pânico. 
* Se o sinal de Internet cai, o trabalho está acabado.
* Quando você se move por uma nova cidade, leva seis meses de moradia mas não se lembra da direção, porque só utiliza o Google Maps. 

“Os computadores se tornaram uma espécie de expansão da memória de nosso cérebro [...]; mente alternativa, que só não estará disponível se não houver uma tomada e uma conexão WiFi”.

Nenhum comentário: