terça-feira, 26 de abril de 2011

MONTEIRO LOBATO elogiava a Ku Klux Kan


Está na coluna de Mônica Bergmano de hoje:

CONFISSÕES DE LOBATO

A revista "Bravo!" publica em maio cartas inéditas do escritor Monteiro Lobato. "Um dia se fará justiça ao Ku Klux Klan; tivéssemos uma defesa dessa ordem, que mantém o negro no seu lugar, e estaríamos livres da peste da imprensa carioca -mulatinho fazendo o jogo do galego, e sempre demolidor porque a mestiçagem do negro destrói a capacidade construtiva", escreveu em 1938 o escritor, censurado pelo governo por racismo

2 comentários:

Calvin & Hobbes disse...

É importante tomar cuidado com algumas afirmações, se não colocarmos dentro do contexto da época.
Vários brasileiros tinham posição semelhante, inclusive Gilberto Freyre (Casa Grande & Senzala) em 1920 defendia a supremacia branca e elogiava a Ku-Klux-Klan. Mais tarde mudou de posição sobre o negro, entretanto por volta de 1936 tinha uma posição antissemita; isso refletia o espírito da época.
Provavelmente Monteiro Lobato era tão racista quanto a maioria dos brasileiros - da elite intelectual ou não - da época.

P A R A L E LO disse...

Mas, a negra Anastácia, nunca saiu da cozinha, era ali que ficava o estereótipo da condição do negro, cozinha do branco, se ele foi tão flexivel assim, porquê não a colocou como uma grande amiga, vizinha da Dona Benta, se observarmos direitinho, ela e os demais negros que compoem a história, na verdade estão numa senzala aberta.