sábado, 29 de janeiro de 2011

LIBRAS. Para os que não ouvem e nem falam


2 comentários:

Anônimo disse...

só uma observação, nonato: há os que não falam mas escutam. e mesmo os que não escutam sempre (sempre!) falam, mas em outra língua (embora se confunda com 'linguagem', é uma língua mesmo): a língua brasileira de sinais (libras), que você muito bem registrou nesse post. abraços,

BETO FERNANDES disse...

Prezado Nonato.

Inicialmente parabéns por destacar um pouco a LIBRAS – Língua Brasileira de Sinais -. Outro dia estávamos em um grupo, ouvintes e surdos, discutindo esta questão do surdo e hoje a comunidade surda não aceita mais a definição “SURDO (A)-MUDO (A)”.

Curioso, indaguei com ajuda de intérprete ao Mardônio Aguiar, surdo assistido pelo INTRA – Instituto Transformar – e ele lembrou que a LIBRAS é um língua oficial. Se ele se comunica através da “linguagem de sinais”, portanto não “seria mudo”, já que há no caso específico uma comunicação.

A partir do momento, segundo ele, em que um ouvinte passa a aprender e a praticar a LIBRAS, mantém também uma comunicação e, consequentemente põe abaixo essa questão do surdo-mudo. Em resumo: surdo SIM, mudo NÃO.

O Mardônio é acadêmico do Curso de Administração da Faculdade Leão Sampaio e do Curso de Letras Libras da UFSC com pólo na UFC Fortaleza (primeira turma do Brasil). É casado com a também surda Gisele Aguiar, acadêmica do Curso de Serviço Social da Leão Sampaio.

Trabalha no setor de informática do Hospital Infantil Maria Amélia Bezerra de Menezes. Quando você visitar o Cariri terei o maior prazer em levá-lo até o INTRA para conhecer um pouco o trabalho que realizamos por lá com mais de 200 surdos juazeirenses e suas famílias.

Conheça um pouco do trabalho no Blog editado pelos amigos surdos: http://www.intrajuazeiro.blogspot.com/

Cordial abraço e bom domingo.